DETALHES DE UM PALÁCIO: Açougue e cadeia

CADEIA VELHA MIS IMG_20150421_180433
Prédio da Cadeia Pública até a década de 1920
Fachada dos fundos da Cadeia Velha  Augusto Malta 1919mis
Fachada dos fundos da Cadeia Velha,1919 

 

É provável que o surgimento do Palácio Tiradentes tenha começado a ganhar forma em 1619, quando problemas estruturais ameaçaram a primeira sede da então Câmara de Vereadores, construída de taipa, e já estava em estado de conservação preocupante.

No entanto, na naquela ocasião, o prédio, localizado no antigo Morro do Castelo, no Centro do Rio, teve grande importância por se tratar do primeiro sobrado erguido na cidade.

Mas apenas por volta de 1719, teve início a construção de uma nova estrutura mais sólida, com projeto vindo de Portugal: um sobrado em pedra-e-cal, cujas obras se arrastaram por vários anos. O empreendimento foi concluído pelo engenheiro militar José Fernandes Pinto Alpoim, em 1751.

A Câmara de Vereadores ficou então no andar superior junto com o Tribunal Ordinário. No térreo, foi instalada a cadeia pública e o açougue central da cidade. Sim… um abatedouro, me garantiu o historiador Milton Teixeira, mesmo porque nesta região o Rio de Janeiro se desenvolvia, e era ali que tudo deveria se concentrar.

Vale ressaltar, que não foi a primeira vez que a Câmara teve que lidar com gado e afins. No início, os vereadores, 12 no total, não recebiam salário. Chamados de “almotacés”, ou fiscais da Câmara, o grupo ganhava línguas de bois abatidos como pagamento.

 

Por Symone Munay

Fotos: Acervo MIS/Museu da Imagem e do Som

 

 

 

 

DETALHES DE UM PALÁCIO: Os vitrais da Casa Conrado

VITRAIS cartaz

Os vitrais que estão dispostos nas galerias do Palácio Tiradentes, como documentado no cartaz acima,  foram entregues 43 dias antes da inauguração da sede da Câmara dos Deputados, que aconteceu em 6 de maio de 1926.  Ao contrário do que alguns suspeitavam as obras não vieram do exterior. Os vitrais de cerca de 3 metros de altura cada um,  foram entregues pela filial da Casa Conrado que funcionava à Rua Uruguaiana, no Centro do Rio.  São eles: “A pátria abençoando o trabalho” e “A pátria coroando o gênio”, uma homenagem ao pai da aviação brasileira, Santos Dumont (no detalhes abaixo).

Casa Conrado, fundada em 1889, foi o primeiro ateliê de vitrais do Brasil.  Com sede em São Paulo ela pertenceu ao imigrante alemão Conrado Sorgenicht, que era artesão na Europa. O ofício foi por três gerações de Sorgenichts antes de ser vendida, em 1989.  A empresa produziu os vitrais de igrejas e monumentos de grande importância histórica e arquitetônica pelo Brasil.

 

VITRAL 4 A Patria coroando o GENIO vitral de Lindolpho Freitas Foto SyMunayVITRAL 2site A Patria coroando oTRABALHO vitral de Lindolpho Freitas Foto SyMunay

Máscaras: uso flexibilizado

mascaras colagem symunay

O uso de máscaras no estado será flexibilizado pelo Governo do Estado e prefeituras. A autorização é da Lei 9.443/21, aprovada pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e sancionada pelo governador Cláudio Castro, que foi publicada no Diário Oficial desta quinta-feira (28/10). No entanto, os critérios ainda deverão ser definidos pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) para que a medida seja colocada em prática.

 A norma altera a Lei 8.859/20, que definiu a obrigatoriedade de uso de máscaras durante a pandemia de coronavírus, bem como as penalidades por descumprimento. A proibição estava em vigor desde junho do ano passado. Com a sanção, agora fica autorizada a flexibilização da medida, por meio de resolução da SES.

De acordo com o texto da Lei, a secretaria deverá observar os seguintes parâmetros no parecer técnico: distanciamento social, ambiente aberto e fechado, percentual de vacinação da população, realização de eventos-teste, além de outros critérios científicos pertinentes.

 O presidente da Alerj, e autor da lei, André Ceciliano (PT), esclareceu que a medida deverá seguir critérios científicos e caberá ao quadro técnico da SES definir os requisitos necessários para a aplicação da norma.

“A Assembleia tem a autonomia para deliberar sobre esse tema porque fomos nós que determinamos a obrigatoriedade do uso de máscaras, em 2020. Agora, remetemos à Secretária de Saúde os critérios para que os técnicos, os cientistas, possam definir o momento e as condicionantes para essa flexibilização. Isso não é uma definição política; é a ciência prevalecendo porque só através da eficácia comprovada da vacinação é que nós pudemos deliberar sobre essa questão”, disse Ceciliano.

 Nos locais em que a SES determinar a permanência do uso de máscaras, continuarão valendo as penalidades por descumprimento da norma, que equivalem a multa de, aproximadamente, R$100 na primeira autuação, sendo dobrada em caso de reincidência. A multa pode ser multiplicada em até cinco vezes em caso de descumprimento reiterado.

Por Comunicação/Alerj

Ilustração: Symone Munay

 

Visite a exposição Dante…Vale no Palácio Tiradentes

 

EXPO DANTE SITE 4 20211019_Munay

 

DANTE 3 marca_site_topo_2Serviço:

O que: “Exposição Dante…Vale”

Onde: Salão Nobre do Palácio Tiradentes. Rua Primeiro de Março, s/n – Praça XV – Centro.

Quando: 19/10 até 15/01/2022. De segunda a sábado das 10h às 17h.  Informações: (21) 2588 1251

O Acesso para cadeirantes poderá feito pela Rua Dom Manuel, s/n, atrás do palácio.

ENTRADA GRATUITA.

https://youtu.be/7m43iOJpqtg

Mais sobre a exposição: www.dantevale.com.br

Armazém da Utopia é declarado patrimônio imaterial cultural

ARMAZEM UTOPOIA foto divulagaçao GovRJ

O Armazém da Utopia, localizado no armazém 6 e áreas anexas (anexo 5/6 e pátio 6/7) da zona portuária do Estado do Rio de Janeiro, agora é considerado Patrimônio Imaterial Cultural do Estado do Rio de Janeiro. É o que determina a Lei 9.441/21, de autoria original do deputado André Ceciliano (PT), sancionada pelo governador Cláudio Castro no Diário Oficial de hoje (26/10).

 Em justificativa, o presidente da Alerj explica que o armazém é um dos projetos do legado olímpico daquela região da cidade. O armazém centenário de cinco mil metros quadrados, múltiplo e dinâmico, sedia a Companhia Ensaio Aberto, desde 2010 – um coletivo artístico que completa 30 anos em 2022. O espaço também abriga o acervo de figurino do grupo com mais de 2 mil peças, o acervo de objetos de cena e cenografia de 27 espetáculos teatrais. O espaço também dá nome a uma das estações do Veículo Leve sobre os Trilhos (VLT) que circula pelo Boulevard Olímpico.

 Também assinam como coautores: Mônica Francisco (PSOL), Eliomar Coelho (PSOL), Waldeck Carneiro (PT), Chico Machado (PSD), Sérgio Fernandes (PDT), Martha Rocha (PDT), Renata Souza (PSOL), Lucinha (PSDB), Luiz Paulo (Cidadania), Flavio Serafini (PSOL), Bebeto (PODE), Enfermeira Rejane (PCdoB), Carlos Minc (PSB), Subtenente Bernardo (PTB), Chiquinho Da Mangueira (PSC), Danniel Librelon (REP), Dionisio Lins (PP), Giovani Ratinho (PROS), Wellington José (PMB), Anderson Alexandre (SDD), Valdecy Da Saúde (PTC), Eurico Junior (PV), Marcelo Cabeleireiro (DC), Marcelo Dino (PSL), Jair Bittencourt (PP), Márcio Canella (MDB), Val Ceasa (PATRIOTA), Marcos Muller (SDD), Átila Nunes (MDB).

Por Comunicação/Alerj

Foto: Arquivo Gov/RJ

História e cultura indígenas devem ser ensinadas nas escolas

INDIOS anavilhana SyMunay IMG_9884-001

O ensino de história dos povos indígenas deverá ser abordado nas escolas públicas e privadas de ensino fundamental e médio de todo o Estado do Rio. Os conteúdos terão que ser ministrados, sobretudo, nas áreas de educação artística, literatura e história brasileira. A determinação é do Projeto de Lei 3.120/20, de autoria do deputado Carlos Minc (PSB), que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou, em discussão única, nesta quarta-feira (20/10). A medida segue para a sanção ou veto do governador Cláudio Castro.

 A proposta complementa a Lei 4.528/05, que instituiu diretrizes para o Sistema de Ensino do Estado do Rio de Janeiro. A norma já obrigava o ensino de história e cultura afro-brasileira. O objetivo é resgatar a participação desses povos na formação da sociedade nacional nas áreas social, econômica e política.

 Segundo o novo texto, os conteúdos programáticos referentes a estes temas poderão ser ofertados também por meio de aulas de campo, realizadas com visitas a museus, centros e monumentos históricos e afins. A medida determina que os Conselhos Estaduais de Educação e dos Direitos do Negro participem da regulamentação da medida. “Motivados pela busca de uma sociedade mais justa e igualitária, é necessário aperfeiçoar a democracia e a cidadania, reduzindo preconceitos e intolerâncias, e resistindo a retrocessos e à atrofia nas mais variadas áreas da nossa sociedade. A Educação é direito de todos e dever do Estado e da família, devendo ser promovida, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa e seu preparo para o exercício da cidadania”, justificou o autor.

Por Comunicação/ALERJ

Foto: Symone Munay

Palácio Tiradentes reabre para visitação pública nesta terça,19/10

EXPO DANTE SITE 1 SyMunay 20211019EXPO DANTE

 

O Palácio Tiradentes abre suas portas para o público com exposição sobre ‘A Divina Comédia’ nesta terça-feira (19/10), a partir das 10 horas.  A “Exposição Dante…Vale”  homenageia o poeta italiano  Dante Alighieri com 17 esboços de carros alegóricos do carnaval de Viareggio, cidade da região da Toscana, na Itália.

A iniciativa é do Consulado-Geral da Itália no Rio, em parceria com a Subdiretoria-Geral de Cultura da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ). A mostra ficará no Salão Nobre do palácio até  15 de janeiro do ano que vem.

De acordo com as medidas de prevenção e controle da Covid 19, para ter acesso ao Palácio Tiradentes, o visitante deve apresentar o comprovante de vacinação com duas doses ou dose única. O uso de máscara é obrigatório.

Serviço:

O que:  “Exposição Dante Vale”

Onde: Salão Nobre do Palácio Tiradentes. Rua Primeiro de Março, s/n – Praça XV – Centro.

Quando: 19/10 até 15/01/2022. De segunda a sábado das 10h às 17h.  Informações: (21) 2588 1251

O Acesso para cadeirantes poderá feito pela Rua Dom Manuel, s/n, atrás do palácio.

ENTRADA GRATUITA.

Mais sobre a exposição: www.dantevale.com.br

 

Foto: Symone Munay

 

Exposição Dante…Vale marca reabertura do Palácio Tiradentes

DANTE 3 marca_site_topo_2

O Palácio Tiradentes reabrirá ao público a partir desta terça-feira (19/10),  às 10 horas,  com a “Exposição Dante…Vale”, que usa a sátira dos mestres do carnaval de Viareggio para exaltar “A Divina Comédia”, obra épica do poeta italiano Dante Alighiere que ganha essa  homenagem especial no Rio de Janeiro quando se completam 700 anos de sua morte.

Promovida pelo Consulado-Geral da Itália no Rio, com apoio da Subdiretoria-Geral de Cultura da ALERJ,  a obra-prima de Dante  é retratada na exposição por 17 esboços originais de carros alegóricos que desfilaram em diferentes edições do carnaval de Viareggio, uma cidade da região da Toscana, com 148 anos de tradição da festa popular.

Serviço:

O que: Exposição Dante…Vale”

Onde: Salão Nobre do Palácio Tiradentes. Rua Primeiro de Março, s/n – Praça XV – Centro.  Acesso para cadeirantes pela Rua Março Dom Manuel, s/n, atrás do Palácio.

Quando: 19/10 até 15/01/2022. De segunda a sábado das 10h às 17h. Entrada Franca.

Tel: 2588 1251.

Mais informações: www.dantevale.com.br

 

Por Symone Munay

Imagem: Divulgação

 

Palácio Tiradentes inaugura exposição “Dante…Vale”

Dante Salão Nobre pequena SITE 20211013_154555DANTE 3 marca_site_topo_2DAnte 2 JPassos IMG-20211014-SITE

 

O Palácio Tiradentes estará aberto ao público a partir de 19/10 (terça-feira), com a “Exposição Dante…Vale”, que usa a sátira dos mestres do carnaval de Viareggio para exaltar “A Divina Comédia”, uma das obras literárias mais famosas do mundo, de autoria do poeta italiano Dante Alighieri que  ganha esta homenagem especial no Rio de Janeiro quando se completam 700 anos de sua morte.

Organizada pelo Consulado-Geral da Itália no Rio com apoio da Subdiretoria de Cultura da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro ALERJ,  a mostra foi inaugurada, apenas para convidados, na quinta-feira, 14 de outubro, ocupando o Salão Nobre do Palácio Tiradentes. O governador do Rio, Cláudio Castro; o presidente do Parlamento fluminense, deputado André Ceciliano (PT); o cônsul-geral da Itália, Paolo Miraglia del Giudice (foto) e o subdiretor-geral de Cultura da ALERJ, Nelson Freitas participaram da cerimônia de abertura, entre outras autoridades.

“Dante nos inspira até hoje porque expôs os desafios da alma humana, na luta diária para vencer o inferno e alcançar o paraíso. É disso que trata a “A Divina Comédia”, que estamos reverenciando aqui, nos setecentos anos de morte deste poeta. Mesmo quem não teve a oportunidade de ler a “Divina Comédia” vai ter uma identificação imediata. Aliás, a obra-prima foi até enredo da Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro em 2017”, destacou Ceciliano.

 

Sobre  a exposição

 A obra de Dante Alighieri é retratada na exposição por 17 esboços originais de carros alegóricos que desfilaram em diferentes edições do carnaval de Viareggio, cidade italiana na região da Toscana, onde a festa popular tem 148 anos de tradição. De forma satírica, as obras carnavalescas italianas imprimem releitura moderna, com apelo político e social, do inferno, do purgatório e do paraíso dantescos, narrados no célebre livro que, há sete séculos, inspira gerações de artistas no mundo inteiro.

A mostra somente estará disponível à visitação do público na terça-feira (19/10), a partir das 10 horas e ficará em cartaz até 15 de janeiro de 2022.

Serviço:

O que: Exposição “Dante…Vale”

Onde: Salão Nobre do Palácio Tiradentes. Rua Primeiro de Março, s/n – Praça XV – Centro.  Acesso para cadeirantes pela Rua Março Dom Manuel, s/n, atrás do Palácio. Entrada Franca.

Quando: 19/10 até 15/01/2022. De segunda a sábado das 10h às 17h.   Tel: 2588 1251. Mais informações: www.dantevale.com.br

 

Fotos: Symone Munay e Julia Passos