ALERJ APROVA HINO PARA O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

ALERJ APROVA HINO PARA O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

MANGUEIRA 2 ensaio _peq credito Leo Queroz

O samba-enredo da Estação Primeira de Mangueira de 1988 – “100 anos de liberdade, realidade ou ilusão” – pode se tornar o hino oficial das comemorações do dia 20 de novembro, data do aniversário da morte de Zumbi dos Palmares e Dia Nacional da Consciência Negra. É o que determina o projeto de lei 5.132/21, de autoria do deputado Chiquinho da Mangueira (PSC), que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ) aprovou na quinta-feira (18/11), em discussão única. Por ter recebido emendas durante a votação, a norma ainda precisa ser votada em Redação Final.

A canção, de autoria de Hélio Turco, Alvinho e Jurandir, garantiu à Mangueira o vice-campeonato do carnaval de 1988. Mesmo sendo aprovada, a norma determina que a adoção do samba como hino seja amplamente debatida com os movimentos negros.

“O samba representa bem em seus versos o que a data simboliza, o protagonismo negro na história do Brasil. A canção cita a Lei Áurea não como um ato de liberdade assinado pela princesa Isabel, já que não deu as garantias mínimas aos libertos, mas sim como uma reflexão crítica e atual que busca questionar se o ato assinado em 1888 não seria apenas uma ilusão. O objetivo é demonstrar a luta histórica e a resistência cotidiana dos negros em busca de igualdade e contra os preconceitos, mostrando Zumbi dos Palmares como o protagonista dessa luta por liberdade e igualdade que se busca até os dias de hoje”, ressaltou o parlamentar.

 

O dia da consciência negra

Neste sábado (20/11) é celebrado o feriado nacional do Dia da Consciência Negra, criado em 1970, por um grupo de negros no Rio Grande do Sul. A data de 20 de novembro foi escolhida para lembrar a morte de Zumbi dos Palmares, em 1695 – líder quilombola brasileiro que lutou pela libertação do seu povo e contra a escravidão até a morte. Neste dia as tropas do bandeirante paulista, Domingos Jorge Velho capturaram Zumbi e mataram-no, degolando a sua cabeça e expondo-a em praça pública.

De acordo com estudos historiográficos, estima-se que o Quilombo dos Palmares tenha durado cerca de 100 anos e abrigado entre 20 mil e 30 mil escravos. A sua localização territorial era na Serra da Barriga, atual estado de Alagoas, na região  Nordeste.

O idealizador do Dia Nacional da Consciência Negra foi o professor, poeta e pesquisador gaúcho Oliveira Silveira (1941-2009). Ele integrou o Grupo Palmares no período de 1971 a 1978 e foi o líder da campanha pelo reconhecimento do Dia da Consciência Negra. A ocasião é dedicada à reflexão sobre a inclusão e importância do negro na sociedade brasileira.

Confira a letra do samba-enredo “100 anos de liberdade, realidade ou ilusão”:

“Será…

Que já raiou a liberdade

Ou se foi tudo ilusão

Será…

Que a Lei Áurea tão sonhada

Há tanto tempo assinada

Não foi o fim da escravidão

Hoje dentro da realidade

Onde está a liberdade

Onde está que ninguém viu

Moço…

Não se esqueça que o negro também construiu

As riquezas do nosso Brasil

Pergunte ao criador

Quem pintou esta aquarela

Livre do açoite da senzala

Preso na miséria da favela

Sonhei….

Que Zumbi dos Palmares voltou

A tristeza do negro acabou

Foi uma nova redenção

Senhor..

Eis a luta do bem contra o mal

Que tanto sangue derramou

Contra o preconceito racial

O negro samba

Negro joga capoeira

Ele é o rei na verde e rosa da Mangueira”
 

Por Gustavo Natario e Symone Munay

Foto: Léo Queiroz/Site GREPM