ALERJ GANHA REPRODUÇÕES DE PINTURAS DE DI CAVALCANTI

Painel Di Cavalcanti Thiago Lontra media_30062022_190539IMG_20220630_143145_2Originais de obras do pintor modernista fazem parte do acervo do extinto Banco Banerj 

Reproduções das obras “Gente da Ilha” (1963) e “Brasil em Quatro Fases” (1965) do pintor modernista Di Cavalcanti estão em exibição na sede da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ), no Centro do Rio. A iniciativa faz parte do Projeto Arte Alerj, uma parceria do Parlamento fluminense e da Fundação Anita Mantuano de Artes do Estado do Rio de Janeiro (Funarj). Estas são as primeiras réplicas de uma série de telas, cujos originais fazem parte do acervo do extinto Banerj, a serem incorporadas à ambientação do Edifício Lúcio Costa, antiga sede do banco.

A Alerj aprovou, nesta quinta-feira (30/06), o Projeto de Resolução 1.392/20, de autoria original do presidente, deputado André Ceciliano (PT), que concede a Medalha Tiradentes Post-Mortem ao pintor – Essa é a maior honraria concedida pelo Parlamento fluminense. A medida será promulgada e publicada no Diário Oficial dos próximos dias.

“Há muitas formas de representar o povo. A arte é uma das mais belas. O Edifício Lucio Costa vai exibir algumas das 700 obras do Acervo Funarj/Coleção Banerj, humanizando e dando um colorido ao ambiente do prédio”, disse o presidente da Casa, deputado André Ceciliano (PT).

As obras originais estão expostas no Museu do Ingá, em Niterói. Segundo o coordenador de Museus da Funarj, Douglas Fasolato, as telas do artista já instaladas no prédio representam os cenários populares do país. “Uma traz o cotidiano da Ilha de Paquetá e outra, o Brasil nos seus mais variados aspectos, desde a chegada dos colonizadores até o período da industrialização no século XX. O Di Cavalcanti tem esse papel fundamental de representar os brasileiros como um todo de sua arte, um legado muito importante”, explicou.

Presente na inauguração, o presidente da Comissão de Cultura da Casa, deputado Eliomar Coelho (PSB), ressaltou a importância do artista no movimento modernista. “Esse momento não poderia ser mais oportuno, porque esse é o ano que completa Cem anos da Semana de Arte Moderna. A semana trouxe, exatamente, para este Brasil o nome de Di Cavalcanti, que começou como ilustrador e que, por muito tempo, foi invisibilizado devido a sua afrodescendência e por ilustrar temas tão populares e importantes”, comentou.

O subdiretor de Cultura da Alerj, Nelson Freitas, destacou a importância dessa mostra permanente, em parceria com a Funarj. “O Projeto Arte Alerj foi iniciado com essas duas obras, mas, em breve, outras virão compor a exposição. Essas pinturas são uma representação do que foi o Banerj, e a proposta da Alerj é preservar e disponibilizar ao público essa memória”, disse.

Também estiveram presentes os deputados Gustavo Schmidt (Avante), Renato Zaca (PL), Mônica Francisco (PSol), Luiz Paulo (PSD), Waldeck Carneiro (PSB), Dionísio Lins (PP), Tia Ju (REP), Renan Ferreirinha (PSD) e Dionísio Lins (PP).

Di Cavalcanti

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque, conhecido como Di Cavalcanti, foi um dos maiores ícones do movimento modernista da década de 1920. Além de pintor, ele foi desenhista, ilustrador, cartunista, caricaturista, muralista, cenógrafo, escritor, jornalista, poeta e doutor honoris causa pela Universidade Federal da Bahia. Apesar da influência cubista e surrealista, foi um dos mais típicos pintores brasileiros pela representação dos temas populares, como o carnaval, as mulatas, o samba, as favelas e os operários.

Por Comunicação Alerj

Foto: Thiago Lontra

 

RÁDIO ALERJ É INAUGURADA:105,9 FM

RADIO ALERJ rafael Wallace30062022_202151IMG_20220630_150855_2

Nova emissora, em parceria com a Rádio Senado, pode ser sintonizada com programação local das 9 às 13h, na 105,9 FM

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), André Ceciliano (PT), inaugurou nesta quinta-feira (30/6), oficialmente, a Rádio Alerj, uma parceria com a Rádio Senado, de Brasília. A nova emissora do estado pode ser sintonizada no canal 105.9 do dial e em breve também terá transmissão via internet. Participaram da solenidade os deputados Alexandre Freitas (Pode), Dionísio Lins (PP), Eliomar Coelho (PSB), Gustavo Schimdt (Avante), Luiz Paulo (PSD), Mônica Francisco (Psol), Tia Ju (Rep) e Waldeck Carneiro (PSB).

Mais novo canal de comunicação do Parlamento fluminense, a Rádio Alerj é uma iniciativa da Casa e conta com uma programação voltada para a música popular brasileira, todos os dias, das 9 às 13 horas. A nova emissora também proporciona aos ouvintes muita notícia e os fatos do plenário do Parlamento fluminense. Durante o restante do dia, o público poderá acompanhar a grade horária da Rádio Senado.

“Hoje é um dia importante. Estamos inaugurando um canal direto de comunicação com a população fluminense. A obrigação nossa é prestar contas ao povo que nos trouxe aqui. E nada melhor do que via rádio, via internet e via TV. Hoje é um passo importante para a democratização dos trabalhos desta Casa. É mais transparência, mais acompanhamento pelo povo dos trabalhos do Parlamento, um meio de contribuir para estarmos mais junto da população. E nada melhor do que a rádio, que é um instrumento poderosíssimo de comunicação”, afirmou o presidente da Alerj.

Na cerimônia, o deputado Waldeck Carneiro disse que a nova emissora também faz um contraponto com o que o Estado do Rio vive hoje em relação à radiofusão. “A Assembleia Legislativa tem se posicionado contra o desligamento de sinais de rádios tradicionais, como a MEC e Nacional. Enquanto isso reafirma o papel da radiofonia, da comunicação pública e a transparência do Parlamento, através da rádio e da TV”, completou. “Isso é democracia”, comentou a deputada Mônica Francisco.

Em entrevista ao comunicador Fernando Ribeiro, o ‘Cabeção’, André Ceciliano falou sobre os desafios enfrentados nos últimos anos, como a aprovação do Regime de Recuperação Fiscal, a adequação do Legislativo à realidade da pandemia, entre outros. Ceciliano também abordou a expectativa em relação ao futuro do Estado do Rio.

Ele lembrou que, em 1999, como terceiro vice-presidente da Alerj, foi designado pela Mesa Diretora como responsável pelos estudos para implantação da TV Alerj. Na época, foi a Brasília visitar a TV Senado e TV Câmara para buscar as experiências e boas práticas. “Agora tenho a felicidade de inaugurar a rádio, construída nos últimos meses, no novo prédio (Alerjão), para onde mudamos em agosto de 2021”, concluiu.

Equipe e programação da nova emissora

A nova emissora tem direção geral de Luciano Silva, também diretor da TV Alerj, e coordenação artística de Fernando Ribeiro, o ‘Cabeção’, profissional com mais de 30 anos de rádio e passagem por grandes emissoras, tendo sido presidente da Roquete Pinto. Cabeção passa a apresentar o programa ‘Debate Alerj’, todas as terças e quintas-feiras, das 12h30 às 13h, com convidados de diversas áreas, além do ‘Papo Cabeça’, aos fins de semana.

A equipe conta com profissionais de alto gabarito, como Alberto Brizola, um ícone do rádio brasileiro (atualmente em licença no período eleitoral); Adelson Alves, o eterno “amigo da madrugada”; Raphael de França, neto do inesquecível Luiz de França; os experientes locutores André Ricardo, Fernando Oliveira (voz oficial da rádio) e Vinícius Lima; as jornalistas e produtoras Cristiane Almeida e Ludmilla Aquino; o jornalista Eros Guiller e o técnico de áudio Thadeu Galvani.

De segunda a quinta-feira, das 9h às 12h, a Rádio Alerj apresenta ‘Manhã do Rio’, com Vinícius Lima, tocando MPB de qualidade. O programa traz também uma variedade de notícias, assim como toda a agenda da Alerj, com o jornalista Eros Guiller.

Durante o ‘Manhã do Rio’ são inseridos pequenos ‘programetes’, tais como ‘Leis que você precisa conhecer’; ‘Defesa do consumidor’; ‘Dicas Funarj’; ‘Plenário em questão’ e ‘Música Popular Brasileira de Raiz’ com Adelson Alves, sempre trazendo convidados e contando muita história da nossa música.

Às segundas e quartas-feiras, Raphael de França apresenta também o ‘Conexão Alerj’, produzido por Cristiane Almeida. Nas terças e quintas, das 12h às 13h, Alberto Brizola e Cabeção apresentam juntos o ‘Debate Alerj’, com a participação de convidados de extrema relevância em seus segmentos profissionais.

Na sexta-feira, às 15h, a Rádio Alerj apresenta o programa ‘Faixa Especial’ – são duas horas com músicas e curiosidades do seu artista preferido. Nos fins de semana tem os programas ‘Samba de Raiz’, com o melhor do gênero; ‘Momentos do Rei’, com Roberto Carlos; e ‘Samba Retrô’, com as composições que marcaram época.

A Rádio Alerj se soma ao sistema de comunicação criado nos últimos anos para ampliar comunicação da Assembleia com a população fluminense, que hoje conta com a TV Alerj, o PodAlerj, o Youtube Alerj Digital, além dos perfis oficiais no Facebook, Twitter e Instagram. Há ainda outros canais, como a Revista Diálogo, que é publicada semestralmente e fica disponível para download gratuito no site www.alerj.rj.gov.br.

Por Rosayne Macedo

Foto: Rafael Wallace

PALÁCIO TIRADENTES É PALCO PARA CINCO CONCERTOS DO RIOHARPFESTIVAL

RIO HARP FESTIVADivulgaça Diana Todorova 1

Divulgação/Diana Todorova (Bulgária)

IMG-20220701-WA0072

O Palácio Tiradentes receberá a 17ª edição do RioHarpFestival nesta terça-feira (05/07), às 19horas, com o duo Claire Le Fur (harpa) e Raymond Gratien (guitarra), representantes da França. O festival – inserido na programação da série “Música e Democracia do Palácio Tiradentes” – além de fazer parte do circuito mundial da harpa, é mais do que consolidado na agenda cultural da cidade, trazendo este ano representantes de 20 países e reunindo 50 músicos, entre 1º e 31 de julho, em vários outros palcos. O público deve chegar uma hora antes para a retirada de senha.

O projeto Música no Museu, iniciado em 1997, tornou-se a maior série de música clássica do Brasil, reconhecido pelo RankBrasil, a versão brasileira do Guinness Book.  Pioneiro em colocar em sua programação orquestras de comunidades criadas a partir de projetos de inclusão social, o RioHarp vai realizar neste ano 73 concertos.

Com exceção do período da pandemia da Covid 19, foram realizados 500 concertos presenciais  por ano, de norte a sul do Brasil, ocupando cerca de 2.500 músicos ao ano, além de uma vertente internacional. Segundo seu idealizador, Sergio da Costa e Silva, este espetáculo é apenas o reinício de uma série de mais quatro concertos em parceria com a subdiretoria de Cultura da Casa legislativa. Não perca!

 

Serviço:

O que: RioHarpFestival

Quando: 05/07 – Terça-feira. Hora: 19 horas

Onde: Palácio Tiradentes. Entrada pela Rua Dom Manuel, s/n – Praça XV – Sala 103

Entrada Franca

 

 

 

 

 

SALÃO CARIOCA DO LIVRO É DECLARADO PATRIMÔNIO IMATERIAL DO RIO

CECILIANO E FAGNER foto octacilio barbosa29062022_12135001

O Salão Carioca do Livro (Ler) agora é Patrimônio Imaterial Cultural do Estado do Rio de Janeiro. É o que determina a Lei 9.743/22, de autoria do presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, deputado André Ceciliano (PT), sancionada pelo governador Claudio Castro e publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (29/06).   A medida prevê que o Governo do Estado poderá celebrar convênios e firmar parcerias junto ao Poder Executivo municipal para estimular as ações culturais e artísticas promovidas pela Ler.

 “O Ler é uma importante iniciativa de promoção de cultura, leitura e arte e merece o reconhecimento desta casa de leis. O salão democratiza e amplia o acesso da população à produção cultural, oferecendo, além de livros, um espaço permanente de conversas sobre literatura, poesia, cultura e educação”, afirmou Ceciliano, que participou da última edição, realizada em maio nos armazéns do Pier Mauá (f0t0).

Foram mais de 610 atividades durante a semana de realização do evento. Dentre os mais de mil autores, ilustradores e artistas, participaram Valter Hugo Mãe, Rodrigo França, Zélia Duncan, Luiz Antônio Simas, Thalita Rebouças, Eduardo Bueno, Vilma Piedade, Lenine, Elisa Lucinda, Pedro Rhuas e Elayne Baeta.

Foto: Octacilio Barbosa

FESTIVAL DA CACHAÇA É INCLUÍDO NO CALENDÁRIO DO ESTADO

Cachaca foto julia passos 062022_13270001

O Festival Estadual dos Produtores e Apreciadores da Cachaça será celebrado na segunda quinzena de novembro. A data foi incluída no Calendário Oficial do Estado. É o que determina a Lei 9.739/22, de autoria original dos deputados Anderson Moraes (PL) e André Ceciliano (PT), que foi sancionada pelo governador Cláudio Castro e publicada na edição extra do Diário Oficial de terça-feira (28/06).

 A cachaça produzida no Rio de Janeiro está entre os melhores destilados do mundo e vem colecionando prêmios. Boa parte dos alambiques integra roteiros turísticos das regiões e os festivais atraem visitantes, fortalecendo a economia local.

 A Associação dos Produtores e Amigos da Cachaça do Estado do Rio (Apacerj) reúne 15 alambiques e estima que mais de 60 mil pessoas estão empregadas na elaboração da bebida destilada em território fluminense. Em 2021, o Rio ficou em terceiro lugar entre os exportadores nacionais do produto, com 9,91% do mercado.

 A Alerj tem aprovado leis para incentivar o setor, como a Lei 9.428/21 que suspendeu o regime de substituição tributária do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas operações internas para a produção de bebidas, inclusive vinho, leite, água mineral e aguardente.

 Assinam a coautoria da lei os deputados Filippe Poubel (PL), Waldeck Carneiro (PSB), Eurico Junior (PV), Eliomar Coelho (PSB), Dr. Serginho (PL) e Coronel Salema (PL).

Por Comunicão Social/Alerj

Foto: Julia Passos

ESPETÁCULO DE MPB REABRE O PALÁCIO TIRADENTES PARA O PÚBLICO

wagner tiso foto de Symone Munay 20220628_180508
Wagner Tiso
Wagner Tiso e Márcio Márcio Lalard foto octacilio barbosa 29062022_140013Tiso
O público lotou o plenário
MÁRCIO MALARD 20220628_180327
Márcio Malard

O belo e histórico plenário do Palácio Tiradentes, antiga sede da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), reabriu suas portas na noite desta terça-feira (28/6), para uma apresentação do compositor, maestro e pianista Wagner Tiso. O espetáculo marca a abertura do projeto “Viva o Compositor Brasileiro”, que faz parte das celebrações dos 100 anos de lançamento da pedra fundamental do palácio e que vai reunir shows musicais gratuitos para a população carioca e fluminense. O espetáculo protagonizado por um dos mais importantes artistas do cenário musical do país, foi prestigiado pelo presidente da Alerj, deputado André Ceciliano (PT).

“Abrimos mais esta iniciativa aqui no Palácio com chave de ouro, trazendo um grande nome da nossa MPB, e esperamos contar com outros artistas de renome. É a casa do povo virando mais um importante palco para a cultura do nosso estado”, disse Ceciliano, que assistiu, emocionado, à apresentação.

Cerca de 150 pessoas ocuparam as cadeiras da plateia, antes destinadas aos parlamentares, para ouvir clássicos da MPB de compositores como Heitor Villa Lobos, Tom Jobim e Milton Nascimento, entre outros, ao som do piano de Wagner Tiso, acompanhado do violino de Márcio Malard. “É muito emocionante reabrir este espaço para receber o público, aqui onde já sentou Jorge Amado em 1946”, disse o subdiretor geral de Cultura da Alerj, Nelson Freitas, ao lembrar que este ano celebram-se os 200 anos da Independência do Brasil e os 50 anos do Clube da Esquina, movimento musical que Wagner Tiso ajudou a criar.

Sobre o projeto

O projeto Viva o Compositor Brasileiro faz parte das celebrações dos 100 anos de lançamento da pedra fundamental do palácio Tiradentes, que abrigou a antiga Câmara dos Deputados – quando o Rio de Janeiro era a capital da República – e mais tarde a sede da Alerj, de 1960 até agosto de 2021. O edifício, inaugurado em 1926, passa por obras de reforma para se transformar em um novo equipamento cultural – a “Casa da Democracia Brasileira”.

A série de apresentações prevê espetáculos com entrada gratuita. Já estão confirmados artistas de repertório variado, como Ivan Lins, Kleiton & Kledir, Isabela Taviani, Buchecha e Yassir Chediak. A distribuição de senhas ocorre sempre uma hora antes de cada evento. A capacidade do plenário do Palácio Tiradentes (sem contar as galerias) é de 200 pessoas sentadas.

“Viva o Compositor Brasileiro” é fruto de uma parceria entre a Fundação Anita Mantuano de Artes do Estado do Rio de Janeiro (Funarj) e a Alerj. “O projeto alcança diversas cidades do Estado do Rio de Janeiro, democratizando o acesso da população aos bens e serviços culturais, com foco na valorização da diversidade de expressão musical brasileira”, explicou Nelson Freitas. Na capital, estão previstas ainda apresentações nos teatros Armando Gonzaga (Marechal Hermes) e Arthur Azevedo (Campo Grande); além de shows nas cidades de Cabo Frio, Maricá, Mendes, Nova Iguaçu, São Gonçalo e Volta Redonda.

 Por Rosayne Macedo

 Fotos: Octacílio Barbosa e Symone Munay

 

 

WAGNER TISO SE APRESENTA NO PALÁCIO TIRADENTES: É NESTA TERÇA-FEIRA

Wagner Tiso.jpg Foto rbtv

Nesta terça-feira (28/6), às 19h, o compositor, maestro e pianista Wagner Tiso, um dos mais importantes artistas do cenário musical nacional, fará uma apresentação no Plenário Barbosa Lima Sobrinho, do Palácio Tiradentes, dando início à série de apresentações do projeto “Viva o Compositor Brasileiro”. O show faz parte das celebrações em torno dos 100 anos de lançamento da “Pedra Fundamental” do prédio histórico que foi sede da Câmara dos Deputados e hoje está sendo adaptada como um novo equipamento cultural.
“Viva o Compositor Brasileiro” é fruto de uma parceria da Fundação Anita Mantuano de Artes do Estado do Rio de Janeiro (FUNARJ) e a Subdiretoria-Geral de Cultura da Assembleia Legislativa do Rio (ALERJ). Além de Wagner Tiso, se apresentarão no Palácio Tiradentes artistas de repertório variado como Ivan Lins, Kleiton & Kledir, Isabela Taviani, Buchecha e Yassir Chediak.
Diante do compromisso de democratizar o acesso da população do estado do Rio de Janeiro aos bens e serviços culturais, assim como valorizar a diversidade de expressão musical brasileira, o projeto “Viva o Compositor Brasileiro” será realizado até o fim do ano em outras cidades do Estado do Rio de Janeiro. Na capital estão previstas ainda apresentações nos teatros Armando Gonzaga (Marechal Hermes) e Arthur Azevedo (Campo Grande).

Ao longo dos seus 60 anos de carreira, WagnerTiso foi um dos responsáveis pela criação do Clube da Esquina, um álbum que completa 50 anos em 2022 e reuniu ícones da música brasileira como Milton Nascimento e Lô Borges. Já arranjou e tocou para mais de 150 intérpretes e acumula em sua carreira mais de trinta discos, tendo trilhas sonoras em produções de cinema, TV e teatro. O sucesso de seus arranjos e composições atraiu artistas como Gal Costa, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Gilberto Gil, entre outros.

O espetáculo é imperdível, é grátis e a distribuição de senhas começa uma hora antes do evento.

 

SERVIÇO:

Projeto “Viva o Compositor Brasileiro” apresenta Wagner Tiso

Palácio Tiradentes. Plenário Barbosa Lima Sobrinho. Rua Primeiro de Março, s/n – Praça XV – Centro.

28/06/2022, às 19 horas.  O acesso para cadeirantes poderá ser feito pela Rua Dom Manuel, s/n, atrás do Palácio Tiradentes.  

CHEGAR UMA HORA ANTES PARA RETIRADA DE SENHA.

 

Foto: Ascom/FUNARJ

 

HOJE É O DIA DO CINEMA BRASILEIRO

Screenshot_20220618-213426_Chrome

Sobre o Dia Nacional do Cinema, a sétima arte

As imagens da Baía de Guanabara foram capturadas pela primeira vez por uma película cinematográfica no dia 19 de junho de 1898. O cineasta e dono da máquina era o italiano Affonso Segretto (1875-1919), considerado um dos primeiros cinegrafistas brasileiros.

E foi assim que a data acabou por homenagear a sétima arte no Brasil.

Segundo os historiadores, as  imagens do Rio de Janeiro, como cenário, teriam sido gravadas a bordo do navio francês Brésil, que havia saído de Boudeaux, na França, onde o Segretto tinha acabado de fazer um curso sobre a operação do equipamento que trazia entre sua bagagem.

A película se chamou  “Uma vista da Baia de Guanabara” e foi exibida ao público na sede do Jornal do Commercio.

 

Por Symone Munay

Foto: Internet/CinePOP

 

DETALHE DE UM PALÁCIO: Cadeiras do salão nobre

20220513_09255220220511_182815Cadeira 1 symunay 20220531_145846

Os alunos da Oficina-Escola de Conservação Oficina de Restauro do Palácio Tiradentes, inaugurada em abril passado, estão na fase final de recuperação de 15 cadeiras de imbuia e veludo que compunham a decoração do Salão Nobre.

As peças foram mapeadas, limpas e desmontadas. Com a identificação dos danos e o registro fotográfico foi possível o levantamento do estado atual de toda mobília. Na segunda fase do trabalho os alunos fizeram as intervenções necessárias, incluindo aplicação de verniz/laca, ficando o estofamento sob a responsabilidade dos profissionais da oficina do palácio.

 

 

Fotos: Symone Munay