ALUNOS DA OFICINA DE RESTAURO DO PALÁCIO TIRADENTES VISITAM O PALÁCIO CAPANEMA

17082022_103034WhatsApp Image 2022-08-17 at 10.27.34

Alunos da Oficina-Escola de Conservação e Restauro do Palácio Tiradentes participaram, nesta terça-feira (16/08), de uma visita técnica ao Palácio Gustavo Capanema, marco da arquitetura moderna que abrigou o antigo Ministério da Educação e da Saúde. O grupo pôde conhecer detalhes do restauro do edifício histórico, o estilo do mobiliário e fazer uma comparação com o conjunto da antiga sede do Legislativo fluminense, principalmente, no que se refere à proposta de adequação do espaço para a utilização proposta.

“O objetivo é que os alunos tomem conhecimento do que é feito no serviço de restauro. Aqui no Palácio Capanema eles poderão fazer uma avaliação de como a restauração dos mobiliários se insere no contexto de um edifício tão emblemático como o Palácio Capanema”, comentou a coordenadora da Oficina-Escola de Conservação e Restauro, arquiteta Simone Algebaile.

O prédio, localizado na Rua da Imprensa, no Centro do Rio, possui 16 andares, e é considerado um dos marcos da arquitetura moderna do País. Foi construído entre 1936 e 1945, projetado pelos arquitetos Oscar Niemeyer, Lúcio Costa, Affonso Eduardo Reidy, Carlos Leão, Ernani Vasconcellos e Jorge Machado Moreira, sob supervisão do arquiteto franco-suíço Le Corbusier.

“Nessa oficina, tratamos da conservação dos restauros de metais e mobiliários. A proposta é fazer a formação dos servidores da Alerj e outras instituições públicas e valorizar o conhecimento dos mestres de ofício e, secundariamente, ajudar na requalificação do Palácio Tiradentes”, complementou Simone.

A oficina é promovida pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), por meio da Superintendência da Curadoria do Palácio Tiradentes e pela Escola do Legislativo. Ela envolve 60 servidores e funcionários de empresas parceiras no trabalho de revitalização que permitirá ao prédio reabrir ao público como novo equipamento cultural – a Casa da Democracia.

“Uma experiência enriquecedora. Vimos aqui o que aprendemos no curso e colocamos em prática. Eu já conhecia o prédio antes desse processo de reforma, então para mim está sendo muito proveitoso”, afirmou o funcionário da Subdiretoria-Geral de Cultura da Alerj, Sandro Cortes.

Por Ana Abreu

Foto: Octacílio Barbosa