ALERJ DOOU R$ 20 MILHÕES PARA RESTAURO DO ARQUIVO DE CAMPOS

Recurso será usado para reestruturação do centenário do Solar do Colégio 

Arqui vo de CAmpos Solar-e-Capela-do-Engenho-do-Colégio-Imagem-Prefeitura-Municipal

arquivo de CAMPOS 2 thiago lontra

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ), deputado André Ceciliano (PT), participou da assinatura do convênio, com a Prefeitura de Campos dos Goytacazes e a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), para reestruturação do Solar do Colégio, prédio centenário que abriga o Arquivo Público Municipal Waldyr Pinto de Carvalho. A restauração será custeada com uma doação de R$ 20 milhões, valor economizado do orçamento do Parlamento. O documento foi assinado na quinta-feira (19/05) durante solenidade no Palácio da Cultura, em Campos, em comemoração dos 21 anos do Arquivo Público.

“Essa ajuda da Alerj foi aprovada por unanimidade para preservar toda a memória do Estado do Rio de Janeiro. É muito importante manter a nossa memória. A Alerj está sendo parceira não só de Campos dos Goytacazes, mas de todos os municípios Fluminense”, comentou Ceciliano, que é coautor da Lei 9.515/21 que destinou, ao todo, R$ 30 milhões à Uenf. Parte desse recurso (um total de R$ 10 milhões) será usada também para a restauração da Fazenda Campos Novos, em Cabo Frio, onde vai ser instalado um novo campus da universidade.

Localizado na Baixada Campista de Campos, o prédio do Solar do Colégio foi construído pelos Jesuítas no século XVII. Ele é o prédio mais antigo de Campos e foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Desde 2000, o solar passou a abrigar o Arquivo Público Municipal, em parceria com a Uenf e supervisionado pelo Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro (Aperj).

Wladmir Garotinho, prefeito de Campos dos Goytacazes, disse que o apoio da Alerj é essencial para o desenvolvimento de toda a região do Norte Fluminense. “O arquivo é um patrimônio de toda a cidade e do estado. Hoje, através deste convênio, nós vamos conseguir contratar os melhores profissionais. O Ceciliano é um grande apoiador da cultura e da nossa história, assim que nós sugerimos o projeto, ele colocou em pauta”, comentou o prefeito.

Natural da região do Norte Fluminense, o deputado Bruno Dauaire (União) disse que é uma alegria festejar o aniversário do arquivo com este investimento. “Isso é resultado de um esforço conjunto dos parlamentares, da gestão da Alerj, da prefeitura de Campos e da Uenf, que vai executar a obra de restauração”, afirmou.

Durante o evento, Ceciliano também se comprometeu a articular investimentos na recuperação de dois importantes equipamentos da cidade, o Solar dos Airizes e o Museu Olavo Cardoso, seja através de emendas à Lei Orçamentária de 2023 e de recursos do Tesouro Estadual.

Memória de Campos e do Brasil será digitalizada

Além de restaurar o espaço histórico, a doação da Alerj vai possibilitar a compra de equipamentos para digitalizar o acervo de documentos, que em breve poderá ser acessado por todo o mundo, como destacou a diretora da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, Auxiliadora Freitas. “Eu quero muito agradecer à Assembleia por essa doação que vai permitir a revitalização do nosso arquivo, que tem uma importância histórica não só para a nossa cidade, como para o estado e todo o país. A história do Brasil passou por aqui”, comentou Freitas.

Fazenda histórica vai atender à população

Futuro campus da Uenf, a Fazenda Campos Novos, em Cabo Frio, foi fundada em 1648. Construída sobre um sambaqui, ela conta com importantes e raros exemplares de arquitetura rural jesuítica. “Por aqui, passaram nomes como Charles Darwin e Dom Pedro. Esse é um patrimônio que agora será recuperado para ser não apenas um ponto turístico mas também de conhecimento científico que vai beneficiar toda a sociedade”, comentou o presidente da Alerj em visitou o local na última segunda-feira (16/05).

O prédio histórico vai passar a abrigar cursos de extensão voltados à população local, incluindo projetos de agricultura familiar e empreendedorismo, além de um centro de memória da política afro-brasileira. A instituição informou que está preparando um projeto de execução das obras antes de abrir o processo licitatório. Toda a obra será acompanhada pelo IPHAN.

“Com essa doação da Alerj, nós vamos também restaurar essa fazenda histórica, que é outro patrimônio de uma riqueza muito grande, de muita importância para os munícipes de Cabo Frio e todo o povo Fluminense”, comentou a vice-reitora da Uenf, Rosana Rodrigues.

A cerimônia contou ainda com abertura da Exposição “Cinco séculos de história: o açúcar e a formação histórico e cultural dos Campos dos Goytacazes” e a palestra “Demarcação dos territórios de poder no pós-independência: a criação da comarca de Campos dos Goytacazes e o acervo do Arquivo Municipal Waldir Pinto de Carvalho”, proferida pela professora adjunta do curso de História da UFF Claudia Atallah.

Por Leon Lucius

Foto: T.Lontra e AcervoPMCG

Leave Comment