MART´NÁLIA E TONI GARRIDO EMPOLGAM PLATEIA EM NOVA APRESENTAÇÃO NO PALÁCIO

20221026_192556

O Palácio Tiradentes recebeu cerca de 150 pessoas nesta terça-feira (01/11) para prestigiar a terceira apresentação de Mart´nália e Toni Garrido pelo projeto “Sons da Independência”. Os cantores deram um show, esbanjando emoção no palco do histórico Plenário Barbosa Lima Sobrinho. O projeto é uma realização da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), por meio da Subdiretoria de Cultura, em parceria com a Fundação Anita Mantuano de Artes do Rio (Funarj).

O repertório reúne alguns dos maiores clássicos dos mais populares gêneros da nossa Música Popular Brasileira – chorinho, marchinhas, samba e bossa nova -, sendo entremeado por intervenções cênicas dos atores Augusto Garcia e Carla Guidacci, com narrativas em prosa e poesia que fazem uma leitura crítica e criativa dos 200 anos de um Rio de artes, leitura e humanidades. Guimarães Rosa, Torquato Neto e Ferreira Gullart são alguns dos nomes da literatura citados e homenageados no espetáculo.

Os primeiros acordes começam pelo lundu – cântico afro-brasileiro das senzalas, que migrou para a corte com o nome de modinha imperial, e resgatam o vissungo – cântico de trabalho dos escravizados africanos. João da Baiana, Tia Ciata e Donga, alguns dos precursores do samba, nascidos no final dos anos 1800, são lembrados logo no início do espetáculo, que destaca a dança de roda, com a popular ‘Devagar Miudinho’, interpretada por Jorge Aragão e Fundo de Quintal. Jura’, um samba composto por Sinhô em 1928 gravado por Noel Rosa.

Uma parte animada do espetáculo é dedicada às marchinhas compostas por notáveis como Pixinguinha, Braguinha, João Roberto Kelly, Lamartine Babo e Chiquinha Gonzaga, como ‘Linda Morena’, ‘Oh, Abre-Alas’, ‘ Cabeleira do Zezé’, ‘Maria Sapatão’, ‘Yes, nós Temos Bananas’, ‘Cachaça não é Água’ e ‘Ala-la-ô’. Logo depois, canções como ‘Conversa de Botequim’, de Noel Rosa, ‘Faceira’, de Ary Barroso, e ‘Antonico’, de Ismael Silva, imortalizadas por muitos intérpretes ao longo do tempo, comoveram a plateia.

E depois de mudar o ritmo com ‘Chiclete com Banana’, de Jackson do Pandeiro, é a vez de falar de um período duro da História do país. ‘Alegria, Alegria’, de Caetano Veloso, foi escolhida para representar a época da ditadura militar e a homenagem à Tropicália. E como legítimo representante da bossa nova, o escolhido é saudoso maestro Antônio Carlos Jobim com seu icônico ‘Samba do Avião’.

Considerado um dos maiores cantores, compositores, poetas e violonistas brasileiros, o eterno Cartola é lembrado com sua clássica ‘A Sorrir’. Outro grande sucesso de Aldir Blanc e João Bosco, ‘Navegante Negro’, e composições de Luiz Gonzaga, Dona Ivone Lara e Martinho da Vila também fazem parte do espetáculo. “O Show tem que continuar”, de Beth Carvalho, encerra a apresentação.

Sons da Independência

Toni Garrido e Mar´nália são virginianos nascidos no mesmo dia 7 de setembro, data em que, no ano de 1822, o então Príncipe Dom Pedro proclamou a Independência do Brasil de Portugal às margens do Riacho Ipiranga, em São Paulo. E foi a partir desta coincidência que o espetáculo foi concebido para celebrar o Bicentenário da Independência, reunindo os dois artistas cariocas, que seguem carreira solo com estilos musicais próprios e se encontram pela primeira vez no palco para esta parceria.

Quem acompanha os artistas é a banda Galo Preto – formada por Tiago Machado (violão e cavaquinho), Zé Luiz Maia (baixo), Afonso Machado (bandolim) e Diego Zangado (bateria) -, somada aos músicos que acompanham Mart´nália, com destaque para Luiz Otávio, que é deficiente visual e comanda os teclados com maestria e ainda canta, junto com Macaco Branco (percussão) e Humberto Mirabelli (violão). ‘Sons da Independência’ tem Moacyr Góes na direção; José Maria Braga na curadoria e direção musical e Nelson Freitas na direção geral. Afonso Machado assina os arranjos e Simone Lopes, a produção executiva.

O quarto e último espetáculo do projeto, no Palácio Tiradentes, será realizado no próximo dia 8/11, às 19 horas, com entrada gratuita. As senhas começam a ser distribuídas a partir das 18h no local.

Por Ascom/ALERJ

Leave Comment