História do Palácio – Degraus do povo

Se essa escadaria falasse… A expressão define bem a trajetória dos inúmeros episódios que tiveram como palco a frente do Palácio Tiradentes, que, diga-se de passagem, tem o que contar. A verdade é que, nas últimas décadas, a voz de milhares de cidadãos dos mais diversos ideais reverberou na Praça XV. Em 1968, a sede da Alerj foi ocupada por milhares de pessoas na concentração da histórica Passeata dos 100 mil, a mais importante manifestação popular de protesto contra a ditadura militar no Brasil. Desde então, as manifestações populares tomaram a escadaria de assalto, fazendo surgir ali movimentos e líderes. Dos protestos contra animais em circo, em 2001, às “manifestações pelos 20 centavos”, contra o aumento das tarifas de ônibus, em 2013, teve de tudo. Essa última culminou com a depredação de várias alas e vitrais do Palácio Tiradentes – parte do material já foi recuperado Professores, agentes de saúde, ambientalistas, policiais civis e militares, enfi m, todos deixaram sua marca nas escadarias. A mais recente manifestação, no dia 25, ocorreu em defesa dos direitos da mulher. O ato, no Dia Mundial de Combate à Violência contra a Mulher, teve início na escadaria da Alerj e, depois, tomou o Centro do Rio.

Confira mais histórias sobre o Palácio no Jornal da Alerj

Um Palácio de Histórias – Casa do poder federal 

O primeiro presidente da República a tomar posse no Palácio Tiradentes foi Washington Luiz, em novembro de 1926. Ele foi deposto em 24 de outubro de 1930, 21 dias antes do término do mandato, por um golpe militar, passando o Poder para as forças repressivas comandadas por Getúlio Vargas. Em menos de um mês, o novo presidente ordenou o encerramento das atividades do Congresso Nacional e fechou as portas do Palácio Tiradentes pela primeira vez. Esse fato viria a ocorrer novamente em 1934, para a instalação do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP). A última cerimônia de posse de um presidente da República no Tiradentes foi em 1956, quando Juscelino Kubitschek, com João Goulart como vice, chegou ao Poder. A era JK foi o início de uma nova fase na história do Palácio. A capital do Brasil mudou-se para Brasília em 1960 e, no dia 4 de abril do mesmo ano, a Lei Santiago Dias transformou o antigo Distrito Federal em Estado da Guanabara. E os mandatários da Nação deixaram as dependências do prédio da Praça XV. Com a fusão entre Rio e Guanabara, em 1975, tem início as bases para a implantação da Alerj. Em 6 de abril de 1960, foi realizada a última sessão da Câmara dos Deputados no plenário do Palácio Tiradentes.

Gostou? Confira mais histórias sobre o Palácio no Jornal da Alerj

Exposição “Carioca-se” chega ao Palácio Tiradentes

A exposição “Carioca-se”, do grupo de fotógrafos “6por6” vai abrir a temporada 2016 de atividades da Subdiretoria Geral de Cultura da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), e poderá ser visitada a partir da terça-feira (23/02), às 18h, no Salão Nobre do Palácio Tiradentes.

Sob a curadoria de Vivian Faingold, a coletiva apresenta a generosidade de cada um de seus integrantes, a diversidade e qualidade em suas várias formas de traduzir a imagem e a visão personalizada da cidade onde vivem.

“Trata-se de um conjunto de imagens que ilustra o ponto de vista dos fotógrafos sobre o Rio de Janeiro, que juntos conversam e formam o conceito do “Carioca-se” sem perder a característica do olhar individual”, disse ela. Além do grupo, mais três convidados com olhares apaixonados pela cidade maravilhosa irão compor a coletiva com 41 trabalhos.

O grupo “6por6” surgiu da união de um grupo de ex-alunos de um curso de pós-graduação da Universidade Candido Mendes (UCAM), em 2012, dedicado a fotografar diversos temas em comum.  São eles: Alex Gaudêncio, André Ribeiro, Celia Satil, Cida Alves, Rosângela Batista, Stéferson Faria. Os convidados são Adriana Medeiros, Carolina Souza de Almeida e Larrion Nascimento.

 

Serviço

Exposição “Carioca-se”

Local: Palácio Tiradentes – Rua 1° de Março, s/n° – Praça XV – Centro – Tel: 2588 1186

Data: 23/02 a 18/03

Hora: De segunda a sábado, das 10 às 17h. Domingos e feriados, das 12 às 17h.

O acesso para cadeirantes é feito pela Rua Dom Manuel, s/nº, Praça XV. ENTRADA GRATUITA.