‘FESTIVAL ARRUMAÇÃO’ REUNIRÁ 14 ARTISTAS NO PALÁCIO TIRADENTES

Screenshot_20221129_074755

*Por Nelson Freitas

O “Festival Arrumação – Um Rio de Arte” reunirá 14 artistas do cenário musical nacional, de diferentes estilos, mais 28 artistas que pertencem às regiões que sediarão o projeto para fazer um registro audiovisual ao vivo, que terá edição e exibição como série de TV. O Festival promove o intercâmbio entre representantes de diversas gerações que preservam as raízes culturais do país com o objetivo de produzir apresentações de música, performances poéticas, dança, tradição popular, notícia boa, tudo por meio de uma prosa tomada de bom-humor e irreverência, com a mediação do menestrel Saulo Laranjeira. O formato se apresenta como um espaço de encontro integrado entre as sonoridades e as linguagens representativas das culturas populares brasileiras que compõem o estado fluminense.

Por aliar entretenimento à produção de conhecimento, o projeto faz uma leitura da diversidade cultural fluminense ao transportar ao palco os diferentes modos de se expressar brasileiro através da arte. O Festival Arrumação – Um Rio de Arte cria um acervo único para estar permanentemente presente na trajetória de vida de artistas, públicos e instituições envolvidas direta e indiretamente na realização do projeto. Os encontros serão exibidos em forma de série na Rede Minas e TV ALERJ.

A estreia será na cidade do Rio de Janeiro, no Palácio Tiradentes, antes sede da ALERJ; hoje um centro cultural – a Casa da Democracia, no dia 1 de dezembro. O protagonismo é do cantor e compositor Hyldon, herdeiro da soul music brasileira, para interpretar algumas das canções de sua autoria que marcam a trajetória de vida da MPB, como “Na Rua, na Chuva, na Fazenda” e “As dores do mundo” e contar algumas histórias inéditas sobre a suas experiências com parceiros como Tim Maia, Raul Seixas e Cassiano, falar de aventuras da turnê que realizou com o Tremendão Erasmo Carlos pela América Latina, nos anos 1970. A outra grande atração da noite é o cantor e compositor Dalto, que, além de interpretar hits que marcaram o imaginário nacional, dentre eles “Muito Estranho”, “Flash Back” e “Cuida bem de mim”, vai contar histórias de sua trajetória de vida e obra artística. As participações especiais ficam com as cantoras e compositoras Mona Villardo e Elisa Queirós e os compositores Roberto Lara e Delsinho Brasileirinho.

Por que “Arrumação” no Rio? O “Festival Arrumação – um Rio de Arte” foi inspirado nas ligações históricas do Rio com Minas. Além de celebrar os 35 anos do “Arrumação”, o festival celebra também 200 anos da Estrada Real do Comércio, que teve o trajeto original inaugurado em 1822, com o Marco Zero na vila de Nossa Senhora da Piedade do Iguassú (atual Nova Iguaçu), subia a serra do Tinguá para chegar até o porto de Ubá, atual distrito de Andrade Pinto, em Vassouras – RJ, às margens do rio Paraíba do Sul, de onde podia seguir até Minas Gerais e Goiás. O objetivo da estrada era fazer a conexão de vários portos com o porto do rio Iguassú, de onde as embarcações rumavam para o porto do Rio de Janeiro.

O Festival Arrumação além de celebrar o bicentenário da Independência, comemora também os 40 anos de carreira de dois de seus protagonistas, os cantores e compositores “Kleiton e Kledir”, que serão as atrações no Teatro Armazém, em São Gonçalo, onde a dupla gaúcha vai interpretar alguns dos seus sucessos e contará histórias de família, carreira e fatos curiosos, ocorridos no difícil início de carreira, quando moraram no Rio, o tambor artístico do Brasil.

Considerando o fato de que a principal característica do “Arrumação” é reunir no mesmo festival estilos diferentes, o festival fecha com a harpista Cristina Braga (cantora, ex-primeira harpista do Theatro Municipal do RJ) no mesmo dia em que se apresenta o instrumentista, cantor e compositor Nico Rezende (arranjador de discos de Gal Costa, Lulu Santos, dentre outros), tudo na cidade de Paulo de Frontin.

A conversa será sempre conduzida pelo ator, apresentador, compositor e cantor mineiro Saulo Laranjeira, que virá de Belo Horizonte, especialmente para conduzir a apresentação do evento. Saulo atuou na novela “Velho Chico”, da TV Globo, em 2016, interpretando o Prefeito Raimundo. Como ator criou personagens como o deputado João Plenário, exibido no programa “A praça é nossa”, do SBT. Saulo Laranjeira foi apresentador do programa de TV “Arrumação” (que batiza o festival), em MG, desde 1987, projeto interrompido com a pandemia. O programa Arrumação divulgou o trabalho de artistas da autêntica cultura brasileira (músicos e contadores de histórias). No cinema, Saulo Laranjeira participou dos filmes “Minas Texas”, do diretor Carlos Alberto Prates Correa, ao lado de Andrea Beltrão e “Amor & Cia”., do diretor Helvécio Raton, junto com Marcos Nanini.
Programação na íntegra da “Caravana” do “Festival Arrumação – Um Rio de Arte”

01/12, quinta-feira, Rio de Janeiro, 19h – O cantor e compositor Hyldon vai abrir o “Festival Arrumação – Um Rio de Arte”, interpretando algumas canções de sua autoria, que marcaram várias gerações: “Na Rua na Chuva e na Fazenda” e “As Dores do Mundo”. O herdeiro da soul music brasileira vai contar histórias sobre a sua convivência com o parceiro Tim Maia e dos festejos que estão sendo preparados para comemorar os 50 anos de sua carreira, em 2023. Em seguida, o cantor e compositor Dalto vai cantar os hits de sua carreira solo como “Muito Estranho” e “Cuida bem de mim” e conversar com o público. Haverá as apresentações dos cantores locais: Delsinho Brasileirinho, Mona Villardo, Roberto Lara e Elisa Queirós. Local: Palácio Tiradentes – A Casa da Democracia, RJ (Rua 1 de Maio, S/N Centro). Haverá a distribuição de senhas uma hora antes do espetáculo. Grátis.

3/12 , sábado, Praça Dr. Joao Nery – Centro – Mendes, RJ, às 19h. O cantor, compositor, violonista Nilson Chaves, nascido no Pará ten mais de uma dezena de discos lançados no Brasil e no exterior. Radicado no Rio desde 1970, onde continuou se dedicando à sua obra a falar da cultura amazônica. Entre os seus sucessos, “Carimbó” e “Segue o barco”. No mesmo palco, se apresentará o cantor e compositor Luis Perequê, considerado o principal interlocutor e representante da tradicional cultura Caiçara da região de Paraty, RJ. O repertório do seu show serão as composições selecionadas dos CDS “Eu, Brasileiro” e “Tô Brincando”, direcionado para crianças e educadores. Perequê captou e traduziu em suas canções a cultura e o modo de viver do povo Caiçara e tem cinco CD gravados sobre esse tema. Participações dos artistas locais: Alexandre Paiva, Onilton, Letícia e Duda Confort. Local: – Praça Dr. João Nery S/N – Centro

05/12, segunda, Nova Iguaçu, 20h – A cantora carioca Fátima Guedes, considerada uma das principais compositoras de sua geração, já gravou 14 CDs. Suas canções foram gravadas e eternizadas por artistas do quilate de: Elis Regina, Ivan Lins, Ney Matogrosso, Maria Bethânia e Simone, dentre outros, resultando em grandes sucessos nacionais. Fátima Guedes estará ao lado da cantora Mirianês Zabot, artista gaúcha, integrante da nova geração da MPB. Mirianês gravou três CDs. Local: Teatro Sylvio Monteiro, Nova Iguaçu, (Rua Getúlio Vargas, 51). O protagonismo da cidade fica com Dudu de Morro Agudo, Fernanda Morais, Marcelo Peregrino e poetiza a Sil.

6/12, terça, Casa de Cultura – Centro de Formação Artística e Cultural da Baixada Fluminense – Rua Machado de Assis – Vilar dos Teles, São João de Meriti – RJ, às 19h. A cantora, compositora e instrumentista Lucina começou a carreira em 1967, quando venceu o Festival Internacional da Canção integrando o Grupo Manifesto. Em 1972, iniciou a trajetória de vida artística e dupla com a compositora, cantora e instrumentista Luli. Quem mais gravou a dupla foi o cantor Ney Matogrosso, que praticamente em todos os discos gravou ao menos uma música de Luli e Lucina. É delas “Bandoleiro”, “Coração Aprisionado”, “Êta Nóis”, “Bugre”, “Me Rói” e “Pedra de Rio”, dentre outras canções. E Luli ainda é parceira de João Ricardo em “Fala” e “O Vira”, grandes sucessos do Secos & Molhados em 1973. A dupla teve canções autorais gravadas também por Frenéticas, Nana Caymmi, Tetê Espíndolla, Joyce, Rolando Boldrin e Wanderléa. E Lucina tem várias canções em parceria com Zélia Duncan, entre elas.

Já Telma Tavares é instrumentista, cantora, compositora singular. Já tocou com grandes nomes da música brasileira, entre eles Beth Carvalho, Jorge Benjor e Alcione; fez show com Pablo Milanês, em Cuba; gravou um disco de sambas de enredo produzido por Roberto Menescal para o mercado japonês. Como atriz e cantora, atuou em espetáculos como “Gonzaguinha na voz de Telma Tavares” e “Romântica saudade”, em homenagem a Aracy Côrtes e Elis Regina, dentre outros musicais.

Em 2002, lançou o seu primeiro disco “Telma Tavares” e em 2012 o disco “Veia mestiça”, com destaque para as participações de Leci Brandão (na faixa “Carioca da gema”) e Alcione (na faixa “Nair Grande”). Seu trabalho autoral é reconhecido pela opinião pública e sobretudo por artistas de estilos e gêneros diferentes, haja visto ter oito canções gravadas pela icônica cantora da música brasileira Alcione.

Dia 13/12, terça, em São Gonçalo, 19h, Kleiton e Kledir, a dupla gaúcha está comemorando 40 anos de carreira e vai participar da conversa musical com Saulo Laranjeira contando histórias sobre carreira, família e também sobre o período que moraram no Rio de Janeiro, nos anos 1970, quando iniciaram a carreira. Keiton e Kledir vão interpretar alguns dos seus muitos sucessos. Participações locais: Igor Alinne Kurvão e Dico. Local: Teatro Armazém (Travessa Rubens Falcão, 346 Parada 40 São Gonçalo.

15/12, quinta – Belford Roxo – 19h. Cantores e compositores Gisa Nogueira e Didu Nogueira, mãe e filho, vão se apresentar no mesmo palco. Gisa Nogueira vai contar histórias de sua parceira com o irmão, o bamba João Nogueira. Gisa é integrante da Ala de Compositores da Portela e vai interpretar algumas de suas composições gravadas por: Clara Nunes (Meu Lema), Beth Carvalho (Clementina de Jesus), além de Elza Soares, dentre outros. Ela dividirá o palco com Didu Nogueira, artista respeitado no circuito do samba carioca e tem boas histórias para contar sobre seus 30 anos de carreira, período em que se apresentou com nomes importantes do samba como: Monarco, Wilson Moreira, Nei Lopes, dentre outros. Participações locais: de Dida Nascimento, Jussara, Seu Mathias.

Local: Casa de Cultura de Belford Roxo (Rua Bob Kenedy, S/N. Nova Piam)

Dia 16/12, sexta-feira – Paulo de Frontin – 18h A harpista Cristina Braga (ex-primeira harpista do Theatro Municipal do RJ, no período de 1993 a 2016, gravou de 17 albuns e participou de shows e gravações de artistas como: Titãs, Nara Leão, Moreira da Silva e Moreira da Silva dentre outros. Em seguida, Nico Rezende (cantor, arranjador, compositor, gravou oito discos e assinou arranjos para CDs de Gal Gosta, Marina Lima, Lulu Santos, dentre outros).

Local: Uaná Etê Jardim Ecológico – Endereço: RJ 121, número 2265, Sacra Família do Tinguá – Engenheiro Paulo de Frontin – RJ)O “Festival Arrumação – Um Rio de Arte” reunirá 14 artistas do cenário musical nacional, de diferentes estilos, mais 28 artistas que pertencem às regiões que sediarão o projeto para fazer um registro audiovisual ao vivo, que terá edição e exibição como série de TV. O Festival promove o intercâmbio entre representantes de diversas gerações que preservam as raízes culturais do país com o objetivo de produzir apresentações de música, performances poéticas, dança, tradição popular, notícia boa, tudo por meio de uma prosa tomada de bom-humor e irreverência, com a mediação do menestrel Saulo Laranjeira. O formato se apresenta como um espaço de encontro integrado entre as sonoridades e as linguagens representativas das culturas populares brasileiras que compõem o estado fluminense.

Por aliar entretenimento à produção de conhecimento, o projeto faz uma leitura da diversidade cultural fluminense ao transportar ao palco os diferentes modos de se expressar brasileiro através da arte. O Festival Arrumação – Um Rio de Arte cria um acervo único para estar permanentemente presente na trajetória de vida de artistas, públicos e instituições envolvidas direta e indiretamente na realização do projeto. Os encontros serão exibidos em forma de série na Rede Minas e TV ALERJ.

A estreia será na cidade do Rio de Janeiro, no Palácio Tiradentes, antes sede da ALERJ; hoje um centro cultural – a Casa da Democracia, no dia 1 de dezembro. O protagonismo é do cantor e compositor Hyldon, herdeiro da soul music brasileira, para interpretar algumas das canções de sua autoria que marcam a trajetória de vida da MPB, como “Na Rua, na Chuva, na Fazenda” e “As dores do mundo” e contar algumas histórias inéditas sobre a suas experiências com parceiros como Tim Maia, Raul Seixas e Cassiano, falar de aventuras da turnê que realizou com o Tremendão Erasmo Carlos pela América Latina, nos anos 1970. A outra grande atração da noite é o cantor e compositor Dalto, que, além de interpretar hits que marcaram o imaginário nacional, dentre eles “Muito Estranho”, “Flash Back” e “Cuida bem de mim”, vai contar histórias de sua trajetória de vida e obra artística. As participações especiais ficam com as cantoras e compositoras Mona Villardo e Elisa Queirós e os compositores Roberto Lara e Delsinho Brasileirinho.

Por que “Arrumação” no Rio? O “Festival Arrumação – um Rio de Arte” foi inspirado nas ligações históricas do Rio com Minas. Além de celebrar os 35 anos do “Arrumação”, o festival celebra também 200 anos da Estrada Real do Comércio, que teve o trajeto original inaugurado em 1822, com o Marco Zero na vila de Nossa Senhora da Piedade do Iguassú (atual Nova Iguaçu), subia a serra do Tinguá para chegar até o porto de Ubá, atual distrito de Andrade Pinto, em Vassouras – RJ, às margens do rio Paraíba do Sul, de onde podia seguir até Minas Gerais e Goiás. O objetivo da estrada era fazer a conexão de vários portos com o porto do rio Iguassú, de onde as embarcações rumavam para o porto do Rio de Janeiro.

O Festival Arrumação além de celebrar o bicentenário da Independência, comemora também os 40 anos de carreira de dois de seus protagonistas, os cantores e compositores “Kleiton e Kledir”, que serão as atrações no Teatro Armazém, em São Gonçalo, onde a dupla gaúcha vai interpretar alguns dos seus sucessos e contará histórias de família, carreira e fatos curiosos, ocorridos no difícil início de carreira, quando moraram no Rio, o tambor artístico do Brasil.

Considerando o fato de que a principal característica do “Arrumação” é reunir no mesmo festival estilos diferentes, o festival fecha com a harpista Cristina Braga (cantora, ex-primeira harpista do Theatro Municipal do RJ) no mesmo dia em que se apresenta o instrumentista, cantor e compositor Nico Rezende (arranjador de discos de Gal Costa, Lulu Santos, dentre outros), tudo na cidade de Paulo de Frontin.

A conversa será sempre conduzida pelo ator, apresentador, compositor e cantor mineiro Saulo Laranjeira, que virá de Belo Horizonte, especialmente para conduzir a apresentação do evento. Saulo atuou na novela “Velho Chico”, da TV Globo, em 2016, interpretando o Prefeito Raimundo. Como ator criou personagens como o deputado João Plenário, exibido no programa “A praça é nossa”, do SBT. Saulo Laranjeira foi apresentador do programa de TV “Arrumação” (que batiza o festival), em MG, desde 1987, projeto interrompido com a pandemia. O programa Arrumação divulgou o trabalho de artistas da autêntica cultura brasileira (músicos e contadores de histórias). No cinema, Saulo Laranjeira participou dos filmes “Minas Texas”, do diretor Carlos Alberto Prates Correa, ao lado de Andrea Beltrão e “Amor & Cia”., do diretor Helvécio Raton, junto com Marcos Nanini.

Programação na íntegra da “Caravana” do “Festival Arrumação – Um Rio de Arte”

01/12, quinta-feira, Rio de Janeiro, 19h – O cantor e compositor Hyldon vai abrir o “Festival Arrumação – Um Rio de Arte”, interpretando algumas canções de sua autoria, que marcaram várias gerações: “Na Rua na Chuva e na Fazenda” e “As Dores do Mundo”. O herdeiro da soul music brasileira vai contar histórias sobre a sua convivência com o parceiro Tim Maia e dos festejos que estão sendo preparados para comemorar os 50 anos de sua carreira, em 2023. Em seguida, o cantor e compositor Dalto vai cantar os hits de sua carreira solo como “Muito Estranho” e “Cuida bem de mim” e conversar com o público. Haverá as apresentações dos cantores locais: Delsinho Brasileirinho, Mona Villardo, Roberto Lara e Elisa Queirós. Local: Palácio Tiradentes – A Casa da Democracia, RJ (Rua 1 de Maio, S/N Centro). Haverá a distribuição de senhas uma hora antes do espetáculo. Grátis.

3/12 , sábado, Praça Dr. Joao Nery – Centro – Mendes, RJ, às 19h. O cantor, compositor, violonista Nilson Chaves, nascido no Pará ten mais de uma dezena de discos lançados no Brasil e no exterior. Radicado no Rio desde 1970, onde continuou se dedicando à sua obra a falar da cultura amazônica. Entre os seus sucessos, “Carimbó” e “Segue o barco”. No mesmo palco, se apresentará o cantor e compositor Luis Perequê, considerado o principal interlocutor e representante da tradicional cultura Caiçara da região de Paraty, RJ. O repertório terá composições selecionadas dos CDS “Eu, Brasileiro” e “Tô Brincando”, direcionado para crianças e educadores. Perequê captou e traduziu, em suas canções, a cultura e o modo de viver do povo Caiçara e tem
canções a cultura e o modo de viver do povo Caiçara e tem cinco CD gravados sobre esse tema. Participações dos artistas locais: Alexandre Paiva, Onilton, Letícia e Duda Confort. Local: – Praça Dr. João Nery S/N – Centro.

05/12, segunda, Nova Iguaçu, 20h – A cantora carioca Fátima Guedes, considerada uma das principais compositoras de sua geração, já gravou 14 CDs. Suas canções foram gravadas e eternizadas por artistas do quilate de: Elis Regina, Ivan Lins, Ney Matogrosso, Maria Bethânia e Simone, dentre outros, resultando em grandes sucessos nacionais. Fátima Guedes estará ao lado da cantora Mirianês Zabot, artista gaúcha, integrante da nova geração da MPB. Mirianês gravou três CDs. Local: Teatro Sylvio Monteiro, Nova Iguaçu, (Rua Getúlio Vargas, 51). O protagonismo da cidade fica com Dudu de Morro Agudo, Fernanda Morais, Marcelo Peregrino e poetiza a Sil.

6/12, terça, Casa de Cultura – Centro de Formação Artística e Cultural da Baixada Fluminense – Rua Machado de Assis – Vilar dos Teles, São João de Meriti – RJ, às 19h. A cantora, compositora e instrumentista Lucina começou a carreira em 1967, quando venceu o Festival Internacional da Canção integrando o Grupo Manifesto. Em 1972, iniciou a trajetória de vida artística e dupla com a compositora, cantora e instrumentista Luli. Quem mais gravou a dupla foi o cantor Ney Matogrosso, que praticamente em todos os discos gravou ao menos uma música de Luli e Lucina. É delas “Bandoleiro”, “Coração Aprisionado”, “Êta Nóis”, “Bugre”, “Me Rói” e “Pedra de Rio”, dentre outras canções. E Luli ainda é parceira de João Ricardo em “Fala” e “O Vira”, grandes sucessos do Secos & Molhados em 1973. A dupla teve canções autorais gravadas também por Frenéticas, Nana Caymmi, Tetê Espíndolla, Joyce, Rolando Boldrin e Wanderléa. E Lucina tem várias canções em parceria com Zélia Duncan, entre elas.

Já Telma Tavares é instrumentista, cantora, compositora singular. Já tocou com grandes nomes da música brasileira, entre eles Beth Carvalho, Jorge Benjor e Alcione; fez show com Pablo Milanês, em Cuba; gravou um disco de sambas de enredo produzido por Roberto Menescal para o mercado japonês. Como atriz e cantora, atuou em espetáculos como “Gonzaguinha na voz de Telma Tavares” e “Romântica saudade”, em homenagem a Aracy Côrtes e Elis Regina, dentre outros musicais.

Em 2002, lançou o seu primeiro disco “Telma Tavares” e em 2012 o disco “Veia mestiça”, com destaque para as participações de Leci Brandão (na faixa “Carioca da gema”) e Alcione (na faixa “Nair Grande”). Seu trabalho autoral é reconhecido pela opinião pública e sobretudo por artistas de estilos e gêneros diferentes, haja visto ter oito canções gravadas pela icônica cantora da música brasileira Alcione.

Dia 13/12, terça, em São Gonçalo, 19h, Kleiton e Kledir, a dupla gaúcha está comemorando 40 anos de carreira e vai participar da conversa musical com Saulo Laranjeira contando histórias sobre carreira, família e também sobre o período que moraram no Rio de Janeiro, nos anos 1970, quando iniciaram a carreira. Keiton e Kledir vão interpretar alguns dos seus muitos sucessos. Participações locais: Igor Alinne Kurvão e Dico. Local: Teatro Armazém (Travessa Rubens Falcão, 346 Parada 40 São Gonçalo.

15/12, quinta – Belford Roxo – 19h. Cantores e compositores Gisa Nogueira e Didu Nogueira, mãe e filho, vão se apresentar no mesmo palco. Gisa Nogueira vai contar histórias de sua parceira com o irmão, o bamba João Nogueira. Gisa é integrante da Ala de Compositores da Portela e vai interpretar algumas de suas composições gravadas por: Clara Nunes (Meu Lema), Beth Carvalho (Clementina de Jesus), além de Elza Soares, dentre outros. Ela dividirá o palco com Didu Nogueira, artista respeitado no circuito do samba carioca e tem boas histórias para contar sobre seus 30 anos de carreira, período em que se apresentou com nomes importantes do samba como: Monarco, Wilson Moreira, Nei Lopes, dentre outros. Participações locais: de Dida Nascimento, Jussara, Seu Mathias.

Local: Casa de Cultura de Belford Roxo (Rua Bob Kenedy, S/N. Nova Piam

Dia 16/12, sexta-feira – Paulo de Frontin – 18h A harpista Cristina Braga (ex-primeira harpista do Theatro Municipal do RJ, no período de 1993 a 2016, gravou de 17 albuns e participou de shows e gravações de artistas como: Titãs, Nara Leão, Moreira da Silva e Moreira da Silva dentre outros. Em seguida, Nico Rezende (cantor, arranjador, compositor, gravou oito discos e assinou arranjos para CDs de Gal Gosta, Marina Lima, Lulu Santos, dentre outros).

Local: Uaná Etê Jardim Ecológico – Endereço: RJ 121, número 2265, Sacra Família do Tinguá – Engenheiro Paulo de Frontin – RJ

 

*Nelson Freitas é subdiretor-geral de Cultura da ALERJ

 

 

Leave Comment